Grande final do Mister Brasil Trans acontece nesta terça em São Paulo

O Teatro Santo Agostinho vai ficar pequeno para a grande final do primeiro Mister Brasil Trans que acontece nesta terça-feira, 09 de novembro. Desde o último sábado, os 25 candidatos ao troféu de vencedor estão na capital paulista para provas classificatórias que envolvem  atividades esportivas, de conhecimento sobre a história do movimento trans, fotogenia e de desenvoltura na passarela.

A diversidade e o empoderamento são as características que os participantes destacam como primordiais no Mister Brasil Trans.

“Incentivar outros corpos como o meu a se sentirem confortáveis nos espaços, poder mostrar que nossos corpos pretos, gordos e periféricos também são bonitos foi o que me motivou a participar do Mister Brasil Trans”, comentou Nathan Santos, candidato de Niterói (RJ).

“A gente não tem visibilidade de homens trans no Brasil. Esse concurso é uma grande possibilidade de mostrar quem a gente é. É também um ato político”, afirmou o rapaz.

Candidatos se divertiram na manhã ensolarada de domingo em passeio na Avenida Paulista. Foto: Luan da Silva / Mister Brasil Trans

“O que eu quero, ao participar deste concurso, é sensibilizar as pessoas para uma realidade que elas não conhecem  e, quem sabe, ajudar a minimizar o preconceito”, completou o candidato Felipe Behrends, representante do Pantanal.

Emoção no encontro com o padre Julio Lancelotti

Na primeira atividade em São Paulo, os candidatos visitaram a Casa Florescer e conheceram o padre Julio Lancelotti. O religioso deixou uma mensagem de respeito à diversidade que comoveu a todes.  “Eu sou uma pessoa de fé. Fiquei muito emocionado quando ele falou que não temos nada de errado e não devemos ser excluídos. Eu me senti muito acolhido. Ele é uma pessoa muito acolhedora e necessária”, disse o candidato Murilo Alves, representante de Juiz de Fora (MG).

“Eu sou ateu. Moro em uma cidade pequena, conservadora, com uma quantidade muito grande de bolsonaristas. Estar em um ambiente com uma representante cristão que prega de fato o amor, o estender as mãos para os menos favorecidos, foi uma experiência maravilhosa. O padre compartilhou uma visão de Jesus Cristo que é a visão que eu também tenho, a de um socialista. Eu fiquei muito emocionado”, abordou Behrends, entre muitas lágrimas.

Candidatos se emocionaram no encontro com o padre Julio Lancelotti. Foto: Tomás Araújo / Mister Brasil Trans

Em seguida, conversaram com as travestis moradoras do espaço que compartilharam fortes experiências de resistência e vitória contra o preconceito. Os candidatos tiveram a oportunidade de contar como foram os processos de descobertas, entendimento, luta contra a discriminação e autoaceitação. Muitos se emocionaram ao compartilhar e se reconhecer nas batalhas comuns a eles.

Depois da emoção, a diversão. Os candidatos secaram as lágrimas e partiram para uma animada e disputada prova de queimado também valendo nota para o concurso.

Jogo de queimado teve até candidato contundido. Foto: Tomás Araújo / Mister Brasil Trans.

De peito aberto na Avenida Paulista

O domingo começou com um passeio na Avenida Paulista que chamou a atenção do público. Acolhidos e protegidos entre eles, ganharam coragem para mostrar a beleza e diversidade de seus corpos, como fez o candidato de Niterói. “Andar na Paulista rodeado de pessoas trans, a gente resistindo diante daquela multidão que sai aos domingos, foi uma experiência inesquecível. Ao lado dos outros meninos, eu me senti confortável para tirar a camisa e mostrar meus peitos enormes e existir da maneira que eu quero. Vou levar essa força que vivi aqui para Niterói e incentivar a participar do evento. Esse é o legado: a vontade de querer ser e de querer crescer”, resumiu.

Nathan Santos, de peito aberto na Paulista. Foto: Emerson Ian/ Mister Brasil Trans

À tarde, no hotel Ibis Budget Paraíso, onde estão hospedados, disputaram uma prova técnica de desenvoltura fotográfica e de passarela. Para esta etapa da competição, eles foram orientados por destacados profissionais da fotografia e do mundo da moda.

“Ser um homem trans na direção cultural do Mister Brasil Trans é algo gigante. Eu sou da periferia de Salvador e estou em um evento de alcance nacional. É de uma felicidade indescritível. O evento está lindo. A cada relato pessoal de cada candidato, a gente percebe ainda mais como somos plurais. Sentir que eu faço parte disso igual a eles é único. Eu sinto na pele cada vez que cada um chora, sinto o arrepio no corpo inteiro. Mesmo com todas as dificuldades que sempre aparecem, o sentimento é que tudo está valendo a pena”, concluiu Esteban Mábilis.

Todos os candidatos são testados para a Covid-19.

Nos acompanhe e saiba mais!
error

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *