Gustavo Rocha revela que foi tirado do armário à força para os pais na noite de ano novo

Comparação com o irmão hétero levou Gustavo às lágrimas

O influencer Gustavo Rocha postou um vídeo de 24 minutos no YouTube sobre o processo de saída do armário que viveu desde o fim da adolescência até o início da idade adulta.

Muito emocionado, ele falou sobre o bullying que sofreu na escola e sobre um delicado momento em que foi tirado do armário à força para os pais.

Como muitos meninos gays, Gustavo lembrou que preferia passar a maior parte do tempo com as meninas na escola. “Os meninos iam jogar bola e eu preferia ficar com elas, brincando de queimado. Era o que me fazia bem”.

E como era de se esperar, o comportamento acabou provocando o bullying por parte dos colegas de colégio. A lembrança da violência psicológica levou o influencer às lágrimas.

“Eu tinha uma voz muito fina e os meninos me zoavam muito por isso. Tinha um menino que ameaçava me bater só porque eu não brincava com os meninos, só porque eu queria ficar junto das meninas”, contou. “Para mim, era muito difícil lidar com tudo isso porque eu era só uma criança e eu não entendida como funcionava o mundo e muito menos como eu funcionava”.

Aos 14 anos, Gustavo começou a entender a atração sexual por garotos, mas ainda não se sentia preparado para contar aos pais. Em uma dessas situações, a mãe do influencer encontrou o celular dele com uma conversa mais íntima com um rapaz. Foi quando ele foi confrontado pela primeira vez e acabou decidindo por não revelar a homossexualidade.

“Ela me perguntou se eu era gay e naquele momento eu não estava preparado para falar sobre isso. Eu era muito jovem. Não entendia o que poderia acontecer. O medo de ela ficar brava era muito grande. E eu neguei pra ela”, recordou.

Gustavo conta no vídeo  que seguiu a vida vivendo relacionamento com meninas, mas cada vez mais se sentia sufocado por viver uma vida que não era a dele. “Lembro de deitar na cama todos os dias e chorar e perguntar pra Deus o que tinha de errado comigo. Eu achava que eu era uma pessoa errada”, disse em mais um momento de muita emoção.

“Depois de tanto conversar com Deus, eu acabei entendendo que não é com quem eu me relaciono que vai me definir. A minha orientação sexual não me define. Eu só quero amar quem eu quiser amar. E, pra mim, não há nada de errado nisso. Nunca existiu nada de errado nisso e nunca vai existir”.

Comparação com o irmão

Gustavo começou a fazer sucesso na internet há seis anos ao lado do irmão gêmeo Túlio. Ficaram conhecidos como os Irmãos Rocha dançando funk e axé, quase sempre sem camisa. A comparação com o irmão heterossexual foi mais um momento que levou Gustavo a chorar no vídeo.

“Meu irmão sempre foi o homão da família, o másculo. E eu sempre fui muito comparado a ele. E para mim isso foi muito difícil (Gustavo levou às mãos ao rosto, muito emocionado). As pessoas esperavam que eu fosse igual a ele e eu nunca iria ser. ”

Gustavo fazia aulas de futebol sob pressão dos pais . Em um trecho do vídeo, ele lembrou de um episódio que refletiu o desequilíbrio emocional que vivia ao se sentir obrigado a corresponder a um ideal de masculinidade.

“Eu lembro que meu psicológico estava tão debilitado por não querer mais fazer aquilo (jogar bola) que eu comecei a chutar a parede pra ver se meu dedo quebrava”.

Saída do armário à força na noite de ano novo

Um episódio que pode trazer traumas por toda a vida para uma pessoa LGBT se dá quando a saída do armário acontece antes do tempo, à força. Gustavo acabou vivendo este momento aos 17 anos em uma noite que deveria ser apenas de festa.

“Faltavam apenas duas horas para o ano novo, não lembro nem de que ano foi, e meus pais receberam uma foto minha beijando um menino. Eu estava sozinho em casa. Não sabia o que fazer. Foi um dos momentos mais difíceis da minha vida”, argumentou.

“Eu não estava preparado pra me assumir para os meus pais, para os meus irmãos, embora eu ache que meus irmãos soubessem. Não estava preparado para me assumir para meus amigos. E essa foto acabou vazando pra cidade toda. Na época, eu não digo que eu entrei em depressão, mas eu emagreci cinco quilos. Eu não tinha forças pra comer. Não tinha forças pra nada. Porque tiraram uma coisa de mim que eu preferia manter guardado a sete chaves até o momento que eu estivesse psicologicamente pronto pra fazer isso”.

O influencer aproveitou o momento para fazer um bonito discurso contra a tirada do armário à força

“Eu não entendo quando as pessoas querem arrancar os outros do armário. Não entendo quando as pessoas querem descobrir a orientação sexual do coleguinha e sair espalhando para os outros. Você não sabe a realidade do outro. Você não sabe o que a pessoa vive. Onde ela vive. Quais as condições dela. Você não sabe se ela tem condições psicológicas pra isso. Eu acho tudo isso muito sujo. Porque não é a sua vida. Se você é gay e se assumiu aos 12 anos de idade, eu fico muito feliz por você. Mas se tiver alguém com 30 anos que você saiba ou  deduz que seja LGBTQIA+ não faça nada contra essa pessoa. Deixa ela viver o momento dela. Se ela nunca quiser se assumir, ela não precisa, ela está no direito dela. Se ela não tiver coragem nunca, se ela não tiver o psicológico pra isso, é a vida dela. As pessoas não têm o direito de tirar isso dos outros. Eu digo isso porque eu senti isso na pele. Eu não estava preparado pra viver aquilo. Então, se você conhece alguém, se for uma pessoa muito próxima, você pode conversar com essa pessoa, mas não tenta tirar isso dela, não espalha para os outros. Não é justo com essa pessoa”.

Veja o vídeo na íntegra 

 

 

Nota da nossa reportagem: Uma ressalva é importante 

Gustavo Rocha fez um belíssimo vídeo, inspirador para jovens que, como ele, sofreram ou sofrem dentro do armário. No entanto, uma ressalva é importante. Ele termina o vídeo com a frase “seja você mesmo”. É a mesma frase que está hoje em seu post no Instagram.

No entanto, uma interpretação dessa frase pode levar ao entendimento de que o sair do armário é a melhor escolha em qualquer momento. Seria até uma contradição ao período narrado por ele mesmo na adolescência.

Um jovem espectador do vídeo do Gustavo digitou na área de comentários que contou que é gay para a família. E a reação foi muito pior que a vivida pelo  influencer. Ele acabou expulso de casa. Essa, infelizmente, é a realidade de muitos LGBTs que vão parar na rua, sem ninguém para lhes ajudar. Há três anos, o adolescente Itaberli, gay assumido, foi assasinado pelos pais tão e somente por ser gay.

É duro e triste dizer isso, mas, uma frase mais completa poderia ser a seguinte: “Seja você mesmo, mas seja prudente”.  Sair do armário é uma decisão maravilhosa quando é possível ser tomada. Viver a vida sem amarras é lindo. Mas, por vezes, é uma decisão que tem tempo para acontecer e que não depende apenas de nosso psicológico. Quando a vida está em risco, é preciso muito cuidado.

 

Nos acompanhe e saiba mais!
error

1 thought on “Gustavo Rocha revela que foi tirado do armário à força para os pais na noite de ano novo

  1. Dizer de LGBTs é dizer sobre PESSOAS, logo sem limite de idade, tendo somente a parte “sexo” em idade mais adequada. Os “aparentemente sem preconceitos”, ou sem noção mesmo, vem com um reducionismo em dizer de LGBTs como se fosse mero “sexo”, para poder restringir o combate aos preconceitos.
    Do jovem que foi expulso, se for menor, tem o direito à pensão pelos progenitores.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *