Mister Brasil Trans elege vencedores em noite de celebração da amizade

Sobrou emoção na entrega das faixas de vencedores do O Mister Brasil Trans 2021 realizada no Teatro Santo Agostinho, em São Paulo, na noite da última terça-feira. O modelo Bernardo Rabello, de 26 anos, representante do Rio de Janeiro, foi coroado o homem trans mais bonito do Brasil. Agenciado pela mesma empresa do ramo da moda onde também atua Cauã Reymond, ele foi escolhido pelo júri entre 25 candidatos como o digno da coroa e da faixa de melhor entre os melhores.

Sensibilizados com as histórias dos participantes, a médica Daniela Cornelio presenteou dois candidatos com a consulta para realização de duas cirurgias de mastectomia, a retirada das mamas, um desejo de muitos homens trans. Já o diretor da clínica La Renovence Janssen Machado ofereceu ao vencedor, Bernardo Rabello, consulta para a realização de harmonização facial, capilar e corporal.

“Eu quero levar a voz da comunidade trans. Dizer que nós podemos, que temos direitos. Mais importante que a minha vitória pessoal, este concurso é a vitória da visibilidade de nossos corpos. Nossos corpos precisam ser vistos. Todos nós somos plurais e somos lindos”, disse o primeiro colocado do Mister Brasil Trans 2021.

“Nós somos plurais e lindos”, disse Bernardo Rabello, vencedor do Mister Brasil Trans / Foto: Tomás Araújo

Além de eleger o vencedor nacional, o concurso também elegeu o Mister São Paulo que irá disputar o Mister Brasil Trans 2022. Os participantes da eliminatória paulista foram os primeiros a entrar no palco do Teatro Santo Agostinho. Em seguida, foi a vez dos candidatos da grande final nacional. Com etapas que remetem aos grandes concursos de beleza internacionais. Os candidatos entraram em traje de banho, sob muitos suspiros e gritos de “lindo” na plateia. Depois, voltaram ao palco em traje de gala com ainda mais aplausos.

Ao fim do desfile, o primeiro momento de grande expectativa aconteceu com o anúncio do vencedor de São Paulo. João Daniel, representante de Jundiaí, foi eleito o Mister São Paulo 2021. Ele celebrou a vitória com o punho cerrado para o alto, símbolo do movimento negro.

João Daniel vibrou muito ao ser anunciado vencedor do Mister São Paulo Trans. Foto: Tomás Araújo / Mister Brasil Trans

“Não é apenas sobre mim, é sobre todos os homens trans pretos que eu quero ver representados neste palco. É sobre meus ancestrais, é sobre todas as pessoas que vieram torcer por mim. É muito importante, como homem trans preto, ser o Mister Trans São Paulo.

Desejo de ser pai faz vencedor abrir mão de cirurgia

O rapaz do interior paulista foi um dos contemplados com a consulta para cirurgia de mastectomia, mas abriu mão. Ele pretende ser pai , gerando e amamentando o filho. “A mastectomia não é um sonho meu agora. Eu penso em gerar e amamentar. Se eu for fazer a mastectomia, será daqui a dez anos. Tem outros meninos que precisam mais agora. Se eu posso gerar uma criança, seria egoísta da minha parte colocar meu desejo de ser pai para ser realizado por uma mulher cisgênera. Por isso, eu estou abrindo mão deste presente que recebi”

Em seguida, veio o anúncio do Top 15. A cada nome, a plateia ia ao delírio na expectativa de seu preferido estar entre os melhores da competição.

Parte dos primeiros finalistas foram eleitos por meio de categorias. O Mister Pantanal, Felipe Behrends, recebeu a faixa de Mister Simpatia. O Mister Juiz de Fora, Murilo Alves, foi eleito o Mister Popularidade por obter mais curtidas na votação pelo Instagram, o Mister Niterói, Nathan Santos, foi eleito o Mister Top Model, o Mister Distrito Federal, Nicolas Magalhães, foi eleito o Mister Live, que elegeu o melhor desempenho em vídeo nas redes sociais, o Mister Rio de Janeiro, Bernardo Rabello, foi eleito o Mister Best Face, o Mister Barueri (SP), Mikael Honorato, foi eleito o Mister Esporte, pelo desempenho nas provas físicas do concurso, o Mister Mato Grosso, Caio Birck, foi eleito o Mister Elegância, e o Mister Paraná, Raphael Rodrigues, eleito como o Mister Fotogenia. Completaram o top 15 candidatos eleitos pelo corpo de jurados do Mister Brasil Trans.

O Mister Mato Grosso Caio Birck comemorou ao lado da família o título de Mister Elegância Trans.

Em mais uma etapa do evento, houve a coroação dos vencedores por região: Nathan Santos foi eleito o Mister Sudeste, o Mister Rondônia, Fahim Qasem, foi eleito o Mister Norte, Nicolas Magalhães o Mister Centro-Oeste, Dominy Martins, representante do Rio Grande do Norte, o Mister Nordeste e Raphael Rodrigues, do Paraná, o Mister Sul.

Raphael, Nathan, Fahim, Nicolas e Dominy: os vencedores regionais do Mister Brasil Trans. Foto: Tomás Araújo / Mister Brasil Trans

O candidato de Niterói comemorou sair da premiação com duas faixas e uma coroa. “Mostrei que nossos corpos pretos, gordos, de peitos grandes e periféricos também são bonitos”, comentou Nathan Santos. “Meu Ori é de Ogum, sou filho de Ogum, a verdadeira resistência guerreira que não foge da luta. Trago comigo a vontade e força de vencer e conquistar todos os meus objetivos,sonhos,lugares. Posso estar e ocupar qualquer lugar sem seguir imposições ou esteriótipos”, escreveu o rapaz no Instagram.

Nathan Santos, candidato por Niterói, eleito Mister Trans Sudeste e Mister Trans Top Model.

No final, muitos aplausos para o grande vencedor da noite, Bernardo Rabello. Ele agradeceu aos jurados e ao público presente: “Quero ser uma voz potente pelos homens trans do Brasil”, disse ele no discurso de vencedor.

Os candidatos ficaram hospedados no hotel Ibis Budget Paraíso de sábado até a data do evento. Uma área do hotel foi reservada para a realização de etapas classificatórias que avaliaram a fotogenia, o desempenho em passarela, além de uma divertida prova de talentos, em que pelo menos tentaram apresentar alguma habilidade. Valia de quase tudo para tentar agradar os jurados. Houve quem soltasse o gogó cantando mesmo com algumas derrapadas na afinação. Houve quem tentasse fazer truque de mágica e até humor stand-up.

A dor e a redenção com a possibilidade de realizar a mastectomia

Na Casa Florescer, abrigo para LGBTQIA+, os candidatos viveram momentos de troca com as travestis moradoras do abrigo e um encontro emocionante com o padre Julio Lancelotti no último sábado. A moradia também abrigou a etapa esportiva do concurso. Um disputado jogo de queimado valia importantes pontos para a classificação final.

Em um lance da partida, o candidato do Rio Grande do Norte, David Lasarotto, acabou sofrendo uma entorse em um dos tornozelos. Com o local muito inchado, ele acabou passando a maior parte dos dias dentro do quarto de hotel fazendo tratamento intensivo com gelo. No primeiro dia após a lesão, sequer conseguia colocar o pé no chão. Ainda assim, não deixou de se apresentar nas etapas do concurso. Na prova de talentos, revelou habilidade como malabarista, arrancando muitos aplausos da pequena plateia que assistia e dos jurados.

David Lasarotto acabou torcendo o tornozelo no jogo de queimado, mas encarou a dor e participou das atividades do concurso Foto: Tomás Araújo / Mister Brasil Trans.

A redenção aconteceu nesta noite de terça-feira, ao anúncio do vencedor do Mister Brasil Trans. Ele ficou em sétimo lugar no concurso, mas como os seis primeiros já tinham realizado a mastectomia, foi o contemplado com o presente, a orientação para a realização da cirurgia. E pela apresentação com os malabares, ganhou a faixa de Mister Talento Trans.

“Eu não estou acreditando. O coração está saindo pela boca. Eu estou feliz demais. É a realização de um sonho fazer a cirurgia. Mesmo com a dor, eu não quis ficar de fora de nada. Tudo o que eu mais queria era só curtir a cada dia. Viver essa história de amizade que a gente construiu aqui dentro.

“Tudo o que eu quero agora é tirar a camisa, sentir o vento no meu peito”, disse o candidato do Rio Grande do Norte.

Um dos motivos que demonstram a importância da mastectomia foi revelado pelo Mister Bahia, Yuri Carvalho. Na manhã seguinte ao concurso ele contou sobre a exaustão física provocada pelo uso do binder, material usado por homens trans que não fizeram a cirurgia para a compressão dos seios. “Eu nem consegui festejar com os amigos o fim do concurso de tanta dor na coluna. Mal conseguia me mexer. Fiquei na cama apenas descansando para fazer a viagem de volta”.

Luan Henrique, Mister Mato Grosso do Sul e também idealizador do concurso, celebrou o sucesso do primeiro Mister Brasil Trans. “Chorei e vibrei muito pelos candidatos. Fiquei emocionado ao ver o David ganhar a cirurgia, um menino que lutou muito para estar aqui. Foi maravilhoso e espero que o Mister Brasil Trans aconteça mais e mais vezes”, comentou. “Isso foi a melhor experiência da minha vida. Os quatro dias ao lado destes 24 candidatos são inesquecíveis. Ficamos mais unidos. Mais amigos. Eu vou guardar para sempre na minha memória e no meu coração”.

Ah se as paredes do Íbis falassem…

Muitos dos candidatos do concurso estavam pela primeira vez reunidos com outros homens trans dormindo, acordando e fazendo as refeições no mesmo hotel. Eles, que experimentam as opressões de serem minoria em uma sociedade cisheteronormativa, viveram por quatro dias uma intensa história de amizade e cumplicidade. “Eu, de ínicio, fiquei assustado, porque era a primeira vez que estava junto de tantos homens trans como eu. Mas bastaram apenas algumas horas para a gente se identificar, compartilhar vivências. Um aprendeu com o outro. Todos os sorrisos, todos os abraços, tudo foi de suma importância. No Mister Brasil Trans, eu descobri que sou muito mais forte do que eu imaginava. Saindo deste concurso eu não vou deixar mais ser diminuído com ninguém”, disse Nathan Meireles, Mister Espírito Santo.

“No Mister Brasil Trans eu descobri que sou muito mais forte do que eu imaginava”, disse Nathan Meireles.

E algumas amizades ficaram ainda mais fortes nas madrugadas. Portas dos quartos se abriam e fechavam num troca-troca intenso. Troca-troca de um quarto para outro, obviamente, como explicou o candidato Allek Castellani, Mister Trans Parque Ibirapuera.

“Troca-troca? Era invasão coletiva mesmo! Mas nossa maior felicidade foi em saber que todos estávamos no mesmo corredor do hotel ! O corredor se tornou pequeno para tantos homens lindos desfilando, experimentando as roupas para ter palpites, conversas e muitas, mais muitas fofocas!
Quando nós nos encontramos a primeira vez pessoalmente, eram sorriso pra todos os lados. Felicidade transbordava na cara de todos. Posso sim falar que a saudade está batendo forte no coração de todos. Pois essa família vocês verão mais vezes junta. Especial e inesquecível ! Concurso à parte…as noites foram DELICIOSAS EM TODOS OS SENTIDOS”.

“Troca-troca? Era invasão coletiva mesmo! “, brincou Allek Castellani, o Mister Parque Ibirapuera.

Discursos emocionaram o público

Madrinha do evento, a vereadora Erika Hilton (PSOL) fez um discurso inflamado ressaltando a importância do Mister Brasil Trans. “É mais que uma disputa por beleza. É uma reação à sociedade cisheteronormativa que privilegia o falo, o pau. É uma vitória de nossos corpos contra a transfobia”, afirmou.

Erica Malunguinho, também presente, exaltou o concurso para o empoderamento de homens trans. “Eu vejo como mais um passo para o futuro. Eu vejo como um projeto de afirmação politica fundamental . Falar de beleza não é só falar de embalagem, é também falar de nossas interioridades. De a gente se afirmar. O Mister Brasil Trans também dá um recado para sociedade, de uma forma positiva, sobre os padrões, sobre normatividade, sobre exclusão. É poderoso e futurista como estratégia de luta a afirmação e a positividade”, disse ela.

Erica Malunguinho, muito elegante, refletiu sobre o Mister Brasil Trans: “É um projeto de futuro”.

O padre Julio Lancelotti usou sua vez de fala para pedir pelos mais pobres. “A questão de gênero também perpassa a questão de classe. Muitas travestis, mulheres e homens trans não vão chegar ao palco deste teatro. Por isso, eu peço: Defendam os mais pobres. Não esqueçam das travestis moradoras de rua e dos homens trans que estão embaixo das marquises”.

Nos acompanhe e saiba mais!
error

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *